Missão Caiuá

Heloo, povo.. tudo na paz? Então, vamos iniciar aqe no blog alguns posts de alguns projetos, missões, servos de Deus, qe realmente tem feito a diferença, qe tem se importado de fato. Para abrir, qro qe conheçam a Missão Caiuá, qe é um projeto da igreja Presbiteriana, com tribos indígenas , eenfim, agora é só conferirem abaixo para conhecerem mais. Setubas!


A Missão Evangélica Caiuá, agência missionária que atua entre os indígenas, foi criada em 28 de agosto de 1928, fruto do sonho de Albert Maxwell, pastor presbiteriano norte-americano que veio ao Brasil para investir na expansão do evangelho, após ter vendido todos os bens que possuía nos Estados Unidos.Ao se instalar em solo brasileiro, o rev. Maxwell dedicou atenção especial aos índios da região de Dourados (MS), da tribo Kaiwá. Deparou-se com a difícil situação daquele povo, composto, em sua maioria, por crianças e mulheres, que trabalhavam na colheita do mate. O rev. Maxwell concluiu que deveria cuidar, não só da dimensão espiritual do índio Kaiwá, como também de seu corpo e mente.Para tanto, o pastor contou com o apoio da Comissão Brasileira de Cooperação das Igrejas Evangélicas, que reuniu representantes da Igreja Presbiteriana do Brasil, da Igreja Presbiteriana Independente e da Igreja Metodista. Assim, em 1928, foi organizada a Associação Evangélica de Catequese dos Índios, com sede em São Paulo, mas que distribuiria os obreiros em regiões específicas do país. A primeira missão criada através da associação foi a Missão Evangélica Caiuá, contando com os seguintes missionários: rev. Albert Maxwell e sua esposa Mabel Maxwell, da Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos, o médico, dr. Nelson de Araújo, da Igreja Metodista, o agrônomo, Sr. João José da Silva, sua esposa Guilhermina Alves da Silva e o filho, de seis meses de idade, Erasmo, da Igreja Presbiteriana do Brasil. A missão contava também com o professor Esthon Marques, da Igreja Presbiteriana Independente.Ao longo desses anos, a Missão Caiuá perdeu alguns colaboradores, como o próprio rev. Maxwell, vítima de uma doença nos pulmões, mas ganhou adesão de muitos outros voluntários. Juntos, e sob a direção do rev. Orlando Andrade, criaram uma escola para alfabetização de adultos e educação primária, um ambulatório médico, um orfanato e, sobretudo, diversos pontos de pregação do evangelho. Em 1956 foi enviada à missão a dra Lorraine Briedgmanm e a família Taylor, da Missão Wicliff, para trabalhar na tradução da Bíblia Sagrada para a língua kaiwá. O novo testamento foi concluído em 1985, e a dra. Lorraine atua até hoje na tradução do velho testamento.

SAÚDE

Em 1963 foi inaugurado, em Dourados, o Hospital e Maternidade Indígena Porta da Esperança, com 38 leitos, hoje ampliado para 50 vagas. Atende, exclusiva e gratuitamente, a população indígena, os obreiros e funcionários da missão. Anos mais tarde, em 1978, foi inaugurado a Unidade de Tratamento de Tuberculose, com 50 leitos.

ENSINO


O rev. Orlando e sua esposa Lóide sonhavam em criar um instituto bíblico que pudesse preparar o índio para a pregação do evangelho. Em 1978, durante a comemoração dos 50 anos da Missão, foi lançada a pedra fundamental do edifício, onde mais tarde passou a funcionar o Instituto Bíblico Felipe Landes. Muitos indígenas dedicam seu tempo ao estudo da palavra e atuam também como missionários.


SITUAÇÃO ATUAL


A Missão Caiuá, com sede em Dourados, hoje dirigida pelo rev. Beijamim Bernades e sua esposa Margarida, atua nas aldeias da região (Caarapó, Amambai, Taqwapiry, Sassoró, Porto Lindo e Gwassuty, Jacaré, Limão Verde, Campestre, Kokwey, Panambi) e também junto aos índios Xavantes, no município de Nova Xavantina (MT). Cada uma delas possui uma igreja.

Desde o ano de 2001, a missão mantém convênio com a Fundação Nacional de Saúde (FUNASA) para dar atendimento à população indígena de todo o Mato Grosso do Sul, combatendo a tuberculose, já controlada entre os Kaiwás, e a desnutrição infantil.

O grande alvo da missão é buscar novos campos e alcançar as demais tribos indígenas brasileiras que nunca ouviram falar do evangelho. Para tanto, conta com o trabalho de seus 84 missionários colaboradores (38 indígenas e 46 não indígenas).

Recentemente foi organizada a Igreja Indígena, com pastores e liderança própria.



2 Response to "Missão Caiuá"

  1. Celeiro Missionário 10 de novembro de 2010 07:33
    Olá,venho agradecer por me linkar,e retribuir sua gentileza,e aproveito para também te seguir.Acho que juntas podemos fazer mais...Graça e paz
  2. Anônimo 9 de setembro de 2013 04:11
    Minha religião não tem dogmas ou rituais
    que arregimentam os rebanhos
    e que escravizam as mentalidades
    pois um bom ser Humano não precisa de dogmas
    para ser feliz!
    nem uma boa família necessita de rituais
    para receber os amigos e praticar o bem

    Minha religião condena vários pecados
    mas nenhum deles obedecem a uma fórmula simples...

    em que o ser humano tem duas escolhas;
    pois até mesmo um criminoso pode ser perdoado
    e muitos pecados que a tradição condena
    no contexto da miséria são verdadeiras virtudes
    Minha religiao nao tem nomes e de um livre pensador
    Minha religiao nao tem templos, os templos sao suas propias casas que e o altar mais abencoados do mundo
    Minhas religiao nao tem oracoes, oracoes sao as coisas que falamos todos os dias e todos momentos e por ela aprendi
    Minha religiao nao tem data marcada, para satisfazer a sanha dos comercios
    Minha religiao nao promete um ceu que nao e seu e nem meu...
    Minha religiao so faco o bem para quem relmente tem nececidades quem tem fome e cede e dor e frio ou tristesa.
    Minha bondade e ter muito amor no meu coracao
    Nao iludo ninguem, voce quer dar me uma doacao; de para nos Acucar,Farinha, Feijao, Arroz, Cafe, Frutas , Verduras e flores para decorar nossas mesas....e comemoramos todos juntos com alegrias e amor e felicidades!!!!!

    Minha religião apregoa
    a verdade insofismável de que o pior pecado
    é a corrupção –
    o grande mal humano, o maior crimis
    e a pior tentação
    que viceja e prolifera no coração dos injustos
    aos quais será dado como herança o Reino da Morte

    Minha religião se professa sozinho
    pois a solidão muitas vezes é conselheira
    e todo bem humano e toda decisão
    em prol de uma vida que abandona
    o niilismo do passado, os erros e os vícios
    somente encontram frutificação
    na semente que a Humanidade carrega
    dentro de si mesmo e que só ele próprio
    rega...
    pois ninguém é dono de ninguém
    e a mudança e a felicidade
    e o verdadeiro poder e a verdadeira bondade
    são frutos, em primeira instância,
    do amor próprio.

Parceiros